Arquivos da categoria: Cadeirante

Sono Quality tem o primeiro garoto propaganda PCD

Recebi um release que achei super legal!

E quem enviou é a assessoria da Sono Quality, empresa de colchões tecnológicos, e que agora segmento a ter um cadeirante como garoto propaganda.

Quem protagoniza as peças da campanha é o ator, comunicador e locutor PCD, Rodolfo Ferrim (51), com segundo a assessoria, tem mais de 20 anos de carreira. Ele também é reconhecido por suas participações em grandes eventos do setor como a Mobility & Show, uma das maiores feiras do mundo para pessoas com deficiência e familiares.

A campanha teve início neste segunda-feira (23), com duração inicial de 3 meses, contemplando um plano de comunicação integrada que inclui anúncios de revista, podcasts, comerciais de TV, ações de merchandising televisivo, Social Ads, ações mobile e até Websérie. As próprias ações de merchandising serão realizadas pelo Rodolfo.

“É nosso dever como marca, empresa ou formadores de opinião explorar temas que tornem a sociedade melhor e menos desigual. Mais do que pregar a questão da acessibilidade e da inclusão, é necessário praticar estes valores diariamente. É um exercício e um aprendizado contínuo’, destaca o diretor de marketing da Sono Quality, Eduardo Honrado.

A segunda edição do estudo Oldiversity®, desenvolvido pelo Grupo Croma, revelou que o preconceito é sentido pela pessoa com deficiência, principalmente no mercado de trabalho. Apesar dos esforços atuais realizados por diversas empresas, ainda há um longo caminho para se adequar e se educar para a total inclusão da PCD. No Brasil, são mais de 46 milhões de pessoas com deficiência.

71% acreditam que as empresas têm preconceito em contratar pessoas com deficiência. 32% sofreram preconceito por apresentar alguma deficiência.

Outro dado que merece destaque revela que os entrevistados sentem falta de estrutura nas lojas, além de produtos e serviços voltados a pessoas com deficiência. Há um gap no mercado, uma grande oportunidade que não está sendo considerada pelas marcas.

63% dos entrevistados acreditam que as marcas deveriam investir em lojas planejadas para PcDs, 61% declaram que as marcas deveriam investir em lançamento de produtos e serviços para PcDs, 54% dizem que as marcas deveriam investir em propagandas feitas para PcDs e 40% acreditam que marcas e empresas estão se adequando para atender as PcDs.

O estudo compreendeu 2032 entrevistas on-line com a população de todo o Brasil, realizadas entre 23 e 31 de julho de 2020, com metodologia aplicada utilizando cotas de idade, gênero, região geográfica, classe socioeconômica, e cotas específicas de raça, orientação sexual e PcDs. A margem de erro é de 2 p.p. para amostra total, considerando nível de confiança de 95%. Os resultados foram ponderados para representar a população brasileira das classes ABC.

Legal a oportunidade que o Rodolfo teve né? Também quero chegar lá! 🙂

Tags , , ,

Etiqueta corporativa inclusiva e o ambiente de trabalho mais produtivo

Profissionais com deficiência devem receber as mesmas condições de inserção, permanência e progresso funcional que os demais colaboradores

Hoje quero compartilhar com vocês este artigo que recebi do Heberton do Grupo Halo, que fala sobre a igualdade e respeito as pessoas com deficiência – pcd, quando no local de trabalho. Afinal, não basta dar a vaga e deixar as pcd fazendo que “dá”, ajudando-as “quando podem”. Não é assim.

Tanto é que no meu local de trabalho, muitas vezes me senti discriminado por falta de desconhecimento dos colegas de como lidar melhor com uma pessoa surda. Vamos ao artigo?

Ser uma organização inclusiva vai muito além de apenas contratar profissionais com deficiência para o quadro funcional com o intuito de apenas cumprir as determinações da Lei de Cotas. E é com essa ideia que o Instituto Ester Assumpção, entidade sem fins lucrativos e sem apoio governamental, que tem o objetivo de promover a inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho, atua para conscientizar gestores e promover estratégias que fomentem a percepção do potencial produtivo destes indivíduos. E a etiqueta corporativa inclusiva faz parte das ações para promover uma cultura organizacional sem preconceitos e, consequentemente, mais que gere mais resultados.

Reprodução

A psicóloga e coordenadora de projetos do Instituto Ester Assumpção, Cíntia Santos, afirma que a inclusão é uma via de mão dupla. “Tanto os profissionais com deficiência quanto as empresas têm direitos e deveres. Os colaboradores devem se esforçar ao máximo para desempenhar suas funções e as organizações têm como obrigação zelar por um ambiente favorável, tanto nas estruturas físicas, quanto no clima interno. E isso é possível conscientizando os funcionários e gestores em um trabalho de quebra de preconceitos”, destaca a especialista.

Para a disseminação da etiqueta corporativa inclusiva, Cíntia Santos revela que existe uma série de desafios. “O processo de inclusão de profissionais com deficiência no ambiente de trabalho deve levar em conta as dificuldades que os indivíduos com e sem deficiência enfrentam nessa convivência. É fundamental que, ao incorporar em seu quadro de empregados profissionais com deficiência, a empresa prepare seu público interno e a equipe do Instituto Ester Assumpção coleciona casos de sucesso conquistados através das consultorias realizadas com organizações que precisavam de ajuda para se tornarem mais inclusivas”, conta.

Dicas da especialista

É comum ler e ouvir o termo ‘pessoa deficiente’, mas a psicóloga Cíntia Santos diz que essa não é a melhor forma ao se referir aos indivíduos com a condição. “O correto é dizer ‘pessoa com deficiência’, seguido pelo grupo à qual pertence, como a pessoa com deficiência física e pessoa com deficiência intelectual. No ambiente de trabalho, é mais adequado utilizar a nomenclatura ‘profissional com deficiência’, cuja sigla é PCD. Mas é importante dizer que, ao se dirigir ou se referir à pessoa, deve ser usado seu nome, evitando usar a sua deficiência como uma referência”, diz.

Muitas vezes, é normal que surjam curiosidades sobre a forma como a pessoa com deficiência lida com algumas situações do cotidiano. Porém, Cíntia Santos alerta que o bom senso deve ser um norteador das ações. “Fazer perguntas sobre a deficiência muito pessoais ou íntimas pode ser deselegante, constrangedor e invasivo. Há casos em que é necessário levantar algumas questões, como numa entrevista de emprego, em que as perguntas sobre a deficiência são essenciais para verificar a adequação à vaga oferecida e avaliar a necessidade de adaptações na empresa para receber o profissional contratado”, destaca a psicóloga.

Os colegas do profissional com deficiência podem não saber como ligar nas situações em que a pessoa tiver dificuldades para realizar alguma atividade. A psicóloga destaca que não é preciso ter receio em ajudar. “Se não souber como fazer, peça a ela orientação e respeite seus limites. Não faça nem mais nem menos do que for solicitado. Em situações embaraçosas, saiba que o respeito, aliado à delicadeza, sinceridade e bom humor, sempre ajudam a resolver. Outro ponto importante, principalmente aos gestores, é que o profissional com deficiência deve ser tratado como qualquer outro colega de trabalho. Mas, para isso, é necessário lembrar que as condições de trabalho e tratamento devem ser igualitárias em relação aos empregados com e sem deficiência. Para isso, a organização deve fazer todas as adaptações que o profissional com deficiência necessite para realizar suas atividades, desde rampas de acesso até cursos de formação e aperfeiçoamento, tanto dele quanto da equipe” salienta Cíntia Santos.

E a cultura de inclusão não termina com nas dependências físicas da organização. Cíntia Santos reforça que as atividades envolvendo os empregados não são apenas as realizadas no ambiente de trabalho. “Os compromissos externos, sejam de trabalho ou sociais, que envolvam profissionais com deficiência, como, treinamentos, cursos e confraternizações, devem ser planejados com base na especificidade da deficiência. Os locais e meios de transporte devem possuir condições de acessibilidade, garantindo o deslocamento e a participação em condições de igualdade. Outra situação bem comum é que muitas vezes os profissionais com deficiência precisam de equipamentos e acessórios para suprir suas limitações, como cadeiras de rodas, muletas, bengalas, próteses e guias. Esses objetos são pessoais, e só devem ser tocados e manejados quando solicitado, e claro, com o respeito como norteador de qualquer conduta, E se surgir alguma dúvida no relacionamento com o colega com deficiência no ambiente de trabalho, basta agir com respeito, empatia e bom senso”, completa a especialista.

Instituto Ester Assumpção

Fundado no ano de 1987, o Instituto Ester Assumpção é uma organização da sociedade civil sem fins lucrativos criada por Ester Assumpção, educadora nacionalmente conhecida pelo caráter pioneiro e inovador no campo da educação. A instituição atua no campo da inclusão da pessoa com deficiência e tem como foco contribuir para a construção de uma sociedade mais inclusiva, onde a diversidade seja aceita e respeitada na sua integralidade. As principais frentes de atuação são a qualificação e inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho e a consultoria para que as organizações se adequem e cumpram o papel social de promover a inclusão.

Site: https://www.ester.org.br 

Instagram: https://www.instagram.com/institutoesterassumpcao/

Facebook: https://www.facebook.com/institutoesterassumpcao/

Assessoria de imprensa:

Grupo Balo – www.grupobalo.com

Heberton Lopes – hlopes@grupobalo.com

Felipe de Jesus – imprensa@grupobalo.com

31 3637 8008 | 31 98988 7616

Vejam também:

Tags , , ,

Acessibilidade nos Shoppings de Goiânia

A 15 dias sofri uma entorse no pé direito, e desde então estou afastado do trabalho e usando bota ortopédica para fins de repouso e recuperação.

Dos dias de monotonia, estive fazendo uns passeios em alguns shoppings que eu sabia que tinha cadeiras de rodas disponíveis para pessoas com mobilidade reduzida e me permitiria a usufruir de todas atrações e espaços.

A Lei nº 10.098 foi criada para estabelecer normais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade para portadores de deficiência e pessoas com mobilidade reduzida. Ela determina, primordialmente, a remoção de barreiras e obstáculos em vias, espaços públicos e edificações.

De fato, a Lei de Acessibilidade define o termo como a “possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos transportes e dos sistemas e meios de comunicação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida”.

Pois bem, agradeço ao Shopping Flamboyant e ao Shopping Passeio das Águas por facilitar a mobilidade em suas áreas públicas. Fui muito bem atendido por todas equipes desses shoppings que se mostram extremamente educados e solidários.

Mas não observei essa segurança e autonomia em muitos ambientes de lojas destes, sendo que até tive alguns pequenos acidentes devido aos pouco ou quase nenhum espaço restringindo a autonomia e mobilidade de seus visitantes e clientes, portanto alô Riachuelo, Adidas, Forever 21, Saraiva e Americanas do Passeio das Águas, e Riachuelo, Zara, Americanas, C&A do Shopping Flamboyant. Precisam urgentemente diminuir a quantidade  de suas gôndolas, araras e prateleiras de modo a permitir melhor movimentação.

Parabéns a Renner, Zara, C&A, Renner e TNG do Passeio das Águas e Parabéns a Adidas, Forever 21 e Saraiva do Shopping Flamboyant, vocês foram as que mais senti livre e a bondade para circular com a cadeira de rodas.

Ainda está distante o dia em que todo ser humano, independente de suas limitações individuais terá acesso a todos os locais abertos ao público em nossa linda Goiânia, mas acredito em mudanças e adaptações.

 

 

 

Tags , , , ,

Acessibilidade para pessoas com deficiências

É fundamental uma sociedade justa, consciente, inclusive é acessível para todas as pessoas. Pensando nisso, gostaria que fosse frisado que é previsto na lei que:

– Todas entradas do prédio sejam acessíveis;

– Toda edificação e estabelecimento tenham sanitários acessíveis às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, possuindo 5% do total de cada peça (quando houver divisão por sexo), obedecendo ao mínimo de uma peça;

–  Tenha a obrigatoriedade da reserva de vagas em estacionamento de uso público para pessoas com deficiência próximas aos acessos de circulação de pedestres;

– O caminho entre o estacionamento e o acesso principal deve estar desbloqueado para portadores de deficiência.

É importante salientar que a adequação a estas normas depende do tipo de estabelecimento. Lojas no térreo não podem estar localizadas em um nível acima da calçada ou devem contar com rampas. Centros comerciais de mais de um andar devem ter elevadores.

Sinalização

Também é essencial que as edificações e estabelecimentos contem com sinalização adequada, não só para indicar banheiros e vagas especiais de garagem, mas também para proteção, orientação e mobilidade, o que ajuda, especialmente, pessoas com deficiência visual.

Para esses casos, é preciso instalar a sinalização tátil de piso, que consiste em: ser antiderrapante; ter textura contrastante em relação ao piso adjacente; ter cor contrastante para ser percebido por pessoas com baixa visão; atender as características de desenho, relevo e dimensões de acordo com a norma ABNT NBR 9050/04.

Alem disso que tal um funcionário específico para recepcionar, informar e até acompanhar pessoas cegas quando nos estabelecimentos? E que tal que este seja fluente na Língua de Sinais para também apoiar os surdos?

Um mundo ideal para todos é possível e só depende de nós!

Tags , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Aqueles dias em Salto de Corumbá/ Go

Bem, já dizia uma famosa música: “Goiás é mais”, é isso todos já sabem. E quem me conhece Sabe que sou daqueles que acreditam que sempre temos que relaxar e fugir da vida estressante sempre que possível.

De pernas para o Ar!

Pensando nisso, fui para Salto Corumbá/ Corumbá de Goiás. Trata-se de parque que já tinha ido até então apenas uma vez e sempre estava querendo voltar, mas nunca tinha a combinação grana x disponibilidade e cia.

Olha o site do site: www.saltocorumba.com.br

Mas foi um belo dia em julho de 2016 (sim demorei publicar, sorte!) resolvi me mandar e ir se divertir, fui para a Rodoviária de Goiânia em busca de sossego em Salto Corumbá.

Saiba mais:

Horários de ônibus, de acordo com o site da AGR (Agência Goiana de Regulamentação):

Entao, não deu para entender muito bem, apenas pesquisando pelo site da AGR, mas pesquisa aqui e ali, descobri que a passagem Goiânia x Corumbá – custaria R$ 26, e iria sair e saiu pontualmente às 12:00, via Viação São José do Tocantins, e chegando na Rodoviária de Corumbá de Goiás as 14:50.

Porém o Salto de Corumbá fica mais à frente, do centro da cidade, sendo então necessário pagar mais R$ 5,00 ao motorista para te deixarem na porta. Ok, viagem custou R$ 31. Pronto, cheguei lá às 15:00.

Dica: Partindo de Goiânia, vá para Anápolis. O valor total das passagens até a entrada de Salto ficam em torno de R$ 25.

Pronto, cheguei às 15:00 na portaria e fui muito bem recebido pela equipe de plantão, os simpáticos Kleber e Emily.

Paguei uma diária no valor de R$ 180 e recebi um mapa do parque e o recibo de pagamento em duas vias seguindo para a pousada, sendo o meu chalé o de número 6, que é bem próximo da recepção.

Vejam as fotos:

Chalé 6! E suas proximidades: Em frente, do lado, na esquerda e direita: tudo lindo!Quase chegando lá, a Sra Sebastiana, já estava me esperando para me dá boas vindas, e pegar um das vias do recibo que me deram na recepção.

Entrando no quarto, já de cara ercebi que era extremamente limpo. E alem de ter uma cama impecável, tinha TV, frigobar e rede, e também mesa com cadeiras.

Blog dos Pernés_ Salto de Corumbá

A cama e enxoval nota 10!

Na parte do banheiro toalhas limpas, shampoo e condicionador e sabonete.

Blog dos Pernés_Salto Corumbá_Goiás

A direita, o banheiro.

Então, o quarto é lindo!

Mas o quintal que é o espetacular do lugar. E esperando aproveitar o restinho da tarde eu me troquei e super empolgado fui em direção a Cachoeira “Salto”.

Olha que lindo, lá na frente!

DICA: Vá pelo caminho menos óbvio, dando “a volta” atravessando a ponte a direita em direção aos toboáguas. Este caminho não tem grandes subidas e é bem mais fácil chegar até lá.

Blog dos Pernés_Salto de Corumbá_Goiás

Tão comum no nosso Brasil: um pé de de Amacardium! Ops, quer dizer: Pé de caju! Delicia!

Blog dos Pernés_Salto de Corumbá

Já na metade do caminho, exausto! Vamos dar uma pausa?

Enfim chegamos!

Eu e ela: Cachoeira do Salto! S2

Só alegria!

Fim de tarde!

Voltando para o chalé, hora de um bom banho e de relaxar, mas bateu a fome, pensei em buscar um lanche super gostoso, já que a outra opção seria ligar para o restaurante, e como eu não escuto está estaria descartada.

Mas aí me lembrei que também poderia ser por WhatsApp. Dito e feito, fiz a minha escolha e em menos de 15 minutos já estavam na porta para me entregar. Tudo perfeito e ainda uma delicia!

No segundo dia, fui conhecer as outras partes que ainda não tinha visto, tipo algumas cachoeirinhas menores.

Menor, mas também muito linda e relaxante! Paz e contato com a natureza, quem não quer?

Ah é também fui para a gruta. Esta na qual eu também amei:

img_5446

img_5398

Pensem numa água fria e necessária para toda a tristeza e stress sair fora? Junto com a tristeza, sai o desânimo e a preguiça também! Super indico!

Fazendo a trilha de volta, pude observar as cores e belezas do cerrado goiano que muito me surpreendeu. Obras de Jeová, um Criador inteligente e maravilhoso.

img_5433

Almoço, cochilo e lanche e mais um dia se foi.

Na manhã seguinte aproveitei minhas últimas horas para andar a cavalo:

É, e sim! Por apenas R$ 20, o senhor que não lembro o nome pode me acompanhar num passeio a cavalo até uma das cachoeiras, e foi muito legal! Havia tempo que não andava e até fiquei com um pouco de medo de cair, mas valeu a pena.

Paz e tranquilidade! Salto Corumbá uma ótima opção para lazer, pratica de esportes, relaxar e ser feliz! Eu já quero voltar, só estou esperando uma super promoção! — kkkkk!

Esta post não não um publipost e todas as opiniões sao pessoais e condiz com a minha experiência. As imagens foram feitas por este blogueiro, no qual reserva-se no direito de exigir  créditos caso sejam reproduzidas. 

Tags , , , , , , , , , , , , ,

Tom finalmente estréia em Carrossel

           A exibição dos capítulos de Carrossel, onde o ator cadeirante, conforme eu já tinha contado aqui. João Lucas Takaki estreou na semana passada.
            A demora na estréia do personagem Tom, se deu devido o sucesso da novela onde a autora Íris Abravanel teve que prolongá-la e a exibição do horário político quando os capítulos foram encurtados no perídodo. Mas com toda certeza, valeu a pena a espera, pois as cenas estão sendo emocionantes de assistir.
            No capítulo de ontem mesmo Maria Joaquina (Larissa Manoela), Valéria (Maísa Silva), Laura (Aysha Bennelli) e as demais meninas visitaram o personagem Tom, que até então tinha medo e vergonha de ser zombado por outras crianças e que as acompanharam até uma praça, onde se divertiu bastante. Foi ótimo. Hoje, tem mais confusões, não percam.
            Até a semana que vem ele deve entrar na escola e se integrar com os alunos.
            E vocês já assistiram? Gostaram? Respondam nos comentários.
Tags , , , , , , , , , , ,

Seja Voluntário no CRER!

Olá, tudo bem?
Hoje, vou falar um pouco sobre o CRER –  Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo que a cerca de 7 anos tem sido muito importante na minha vida, por me  com excelentes profissionais competentes e qualificados como Fonoaudiólogos, Assistentes Sociais, Otorrinos que me ajudam a cuidar dos meus ouvidos.
 De acordo com a página oficial do CRER,  é um dinâmico hospital que oferece atendimento humanizado e especializado em reabilitação às pessoas com deficiência física e/ou auditiva, exclusivamente pelo Sistema Único de Saúde – SUS. Desde sua fundação, em 2002, o CRER tem se firmado como referência pela lisura, responsabilidade e transparência.
Uma falha no CRER, é a deficiência em atender os pacientes de acordo com a hora marcada, e que demora bastante. Mas meu objetivo principal é falar do programa de voluntariado.

O projeto  de voluntariado do CRER, “Voluntários que Creem”, foi criado em 2005 a partir do compromisso e sensibilidade de pessoas dispostas a ajudar e oferecer atenção e cuidados aos pacientes do Hospital. O objetivo é contribuir com a população e dedicar tempo e esforços em tornar cada vez melhor a vida de quem mais precisa.

O voluntário do CRER não atua em áreas técnicas, estágio curricular ou de aperfeiçoamento, somente em ações sociais como Posso Ajudar, Recreação, Arteterapia, Corte de Cabelo, Manutenção de Cadeiras de Rodas, Apoio Espiritual e Oficina de Artesanato. O trabalho voluntário não é remunerado e também não possibilita ingresso ao quadro de colaboradores do Hospital.



Para se tornar voluntário do CRER alguns requisitos são necessários, como ter mais de 18 anos, condição e aptidão física para realizar o trabalho, estabilidade emocional, facilidade de comunicação, adaptação do trabalho em equipe, responsabilidade, discrição, comprometimento, dedicação ao trabalho e disponibilidade para, no mínimo, uma vez por semana.

A prática do voluntariado é uma atividade que beneficia ambas as partes envolvidas, além de promover um resultado potencialmente positivo para o voluntário, paciente e Instituição. Em breve, eu mesmo quero participar com quem sabe a Língua de Sinais.

Se interessou? Informações sobre o projeto  de voluntariado do CRER

: voluntariado@crer.org.br / (62) 3232-3054.

Conhece outras maneiras ou outros orgãos? Conte para gente.
Um grande abraço!
Tags , , , , , , , , , ,

Teleton 2012!

Booom dia,
Chegou o grande dia de mais um Teleton! Chegou a hora de ajudar os pacientes da AACD. E já são 15 anos, bastante tempo né?

Olha só, o que já conseguimos: 

  • 2011 Meta: Construção da AACD Vitória/ES e Campina Grande (PB), Arrecadação: R$26.802.633,00
  • 2010 Meta: Construção da AACD Mogi das Cruzes/SP Arrecadação: R$ 23.971.095,00
  • 2009 Meta: Construção da AACD Poços de Caldas (MG) e mais 2 unidades em São Paulo (SP). Arrecadação: R$ 23.971.095,00
  • 2008 Meta: Diminuir a espera por atendimento nas unidades. Arrecadação: R$ 18.955.948,00
  • 2007 Meta: Construção da AACD São José do Rio Preto (SP) Arrecadação: R$ 17.111.159,00
  • 2006 Meta: Manutenção das unidades existentes e aumento do número de cirurgias de escoliose Arrecadação: R$ 16.162.588,00
  • 2005 Meta: Construção da AACD Joinville (SC) Arrecadação: R$ 16.162.588,00
  • 2004 Meta: Manutenção das unidades existentes e ampliação do Hospital Abreu Sodré (construção de 18 apartamentos em 5 pavimentos) Arrecadação: R$ 16.616.032,00
  • 2003 Meta: Construção da AACD Nova Iguaçu (RJ) Arrecadação: R$ 15.000.000,00
  • 2002 Meta: Construção da AACD Osasco (SP) Arrecadação: R$ 16.015.454,00
  • 2001 Meta: Ampliação do número de atendimentos na AACD sede Arrecadação: R$ 11.847.000,00
  • 2000 Meta: Construção da AACD Uberlândia (MG) Arrecadação: R$ 10.226.000,00
  • 1999 Meta: Construção da AACD Porto Alegre (RS) Arrecadação: R$ 10.147.000,00
  • 1998 Meta: Construção da AACD Recife (PE) e reforma da unidade Mooca (SP) Arrecadação: R$ 14.855.000,00

Sobre o Teleton

O Teleton foi criado em 1966, nos Estados Unidos, pelo ator e comediante Jerry Lewis, que teve um filho com distrofia muscular. Desde então, é realizado anualmente e serviu de inspiração para outras campanhas televisivas pelo mundo.
No Brasil, o primeiro Teleton ocorreu em 16 de maio de 1998 no SBT com o objetivo de levantar recursos para o tratamento e reabilitação de pacientes atendidos nas unidades da AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente). Em sua primeira edição, o projeto arrecadou R$ 14.855.000,00 que foram utilizados para a construção de uma nova unidade da AACD em Recife (PE) e na reforma da unidade da Mooca, em São Paulo.
Em 2011, o evento arrecadou R$ 26,8 milhões, valor destinado à construção de duas novas unidades da instituição, em Vitória/ES e Campina Grande (PB), que devem ser concluídas no final de 2012.
Todos os anos, durante a exibição do Teleton, o SBT tem uma programação especial totalmente voltada ao projeto. Em suas 26 horas, reportagens especiais sobre o trabalho feito pela a AACD, prestações de contas, artistas renomados e atrações musicais são apresentadas ao público diretamente dos estúdios do SBT no Complexo Anhanguera, ao vivo para todo o Brasil. Nesta 15ª edição, que acontece nos dias 9 e 10 de novembro 2012, a meta ficou ainda maior: R$ 25 milhões, suficientes para a instituição manter os 13 centros já existentes e realizar mais atendimentos.

Sobre a AACD

A AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente) é uma instituição sem fins lucrativos cuja missão é “Promover a prevenção, habilitação e reabilitação de pessoas com deficiência física, especialmente de crianças, adolescentes e jovens, favorecendo a integração social”.
Em 1950, o Dr. Renato da Costa Bomfim, ao lado de um grupo de idealistas, fundou a AACD com o objetivo de disponibilizar no Brasil um centro de reabilitação com a mesma qualidade dos estrangeiros.
Antes de ser um grande complexo, a AACD já chegou a funcionar em dois pequenos sobrados na Rua Barão de Piracicaba, em São Paulo. Em 1963, o primeiro centro foi inaugurado num terreno doado pela prefeitura e localizado na Rua Ascendino Reis, que funciona até os dias de hoje, no bairro do Ibirapuera.
Em 2011, a AACD realizou 1.498.485 atendimentos nos 13 centros de reabilitação distribuídos em seis diferentes Estados: AACD Ibirapuera (SP), AACD Mooca (SP), AACD Santana(SP), AACD Campo Grande (SP), AACD Osasco (SP), AACD São José do Rio Preto (SP), AACD Recife (PE), AACD Uberlândia (MG), AACD Porto Alegre (RS), AACD Nova Iguaçu (RJ), AACD Joinville (SC) e na AACD Poços de Caldas (MG) e AACD Mogi das Cruzes (SP).

E em 2012, não vai ser diferente, vamos todos ajudar. Hoje e amanhã, o SBT apóia a AACD com uma programação pra lá de especial. Não deixe de participar!!

Tags , , ,

Carrossel do SBT promove a Inclusão Social!

Em breve “Carrossel” do SBT, promoverá a discussão à Inclusão Social por meio do personagem cadeirante, Tom (inspirado no boneco Tonzinho do Teleton).
Sobre o ator João Lucas Takaki: Estreante na TV, João Lucas tem nove anos e viverá na trama a experiência que ele mesmo tem na vida real.
 “Não somos coitadinhos. Com a novela, conseguiremos mostrar para o público que a inclusão social é fundamental e que a criança, que tem a oportunidade de conviver com as pessoas com deficiência, acaba sendo mais crítica com os locais que não são acessíveis. Poderemos mostrar também que um cadeirante pode ter uma vida normal. A cadeira de rodas não passa de um acessório, que ajuda na locomoção, não é um motivo para a exclusão”.
João Lucas conta também que já sofreu discriminação. Segundo ele, uma agência de modelos não o aceitou por ser cadeirante, e outra disse que ele só poderia ser modelo fotográfico de rosto.
Estudante da quarta série, Takaki, nas horas vagas, gosta de jogar videogame e ir ao shopping e à praia.
Sobre o personagem Tom:
Tom ficou paraplégico depois de um acidente de carro que matou seu pai.
Sua mãe Glória (vivida pela atriz Tereza Villela Xavier), é a nova professora de inglês da Escola Mundial. Tom vive recluso em casa, sempre fica observando as pessoas pela janela e tem medo de ser motivo de chacota para as outras crianças por não poder brincar, correr e andar com as mesmas.
Ele é descoberto pelos alunos do terceiro ano e é encorajado a sair de casa. Depois de ganhar confiança e fazer grandes amigos, ele vai estudar na Escola Mundial.
De acordo com a assessoria do SBT as cenas de João Lucas irão ao ar por volta do capítulo 100, que de acordo com minhas contas feitas, devem ser exibidas na primeira semana de outubro.
Dicas para se relacionar bem com pessoas com deficiência física (Fonte: Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida):

  • Não se apóie na cadeira de rodas, isso pode causar algum tipo de incômodo à pessoa com deficiência, que têm neste equipamento a complementação da sua mobilidade.
  • Use palavras como “correr” e “andar” naturalmente, as pessoas com deficiência física também utilizam estes termos.
  • Para conversar com uma pessoa em cadeira de rodas, caso a conversa seja prolongada, sente-se para ficar no mesmo nível de seu olhar.
  • Nunca movimente a cadeira de rodas sem antes pedir permissão e perguntar como deve proceder.
  • Se estiver acompanhando uma pessoa que anda devagar, procure acompanhar o seu ritmo.
  • A pessoa com paralisia cerebral pode apresentar alguma dificuldade na comunicação; no entanto, na maioria das vezes o seu raciocínio está intacto. Caso não compreenda o que diz, peça que repita, ou escreva, respeitando o ritmo de sua fala.
E lembre-se: A informação é fundamental para vencermos as barreiras do preconceito e da discriminação. Ao buscarmos a informação, exercitamos o respeito à diversidade humana. Munidos de informação, descobrimos que a maior barreira em relação às pessoas com deficiência é a nossa própria atitude!
Parabéns a Íris Abravanel, ao elenco de Carrossel e ao SBT.
Vamos combater a discriminação de pessoas com deficiência!
Tags , , , , , , , , , , , ,