A vergonha da minha vida!



Li no site da Gabi Chanas, encontrei um post super engraçado que ela postou sobre as três maiores vergonhas da vida dela, o que me fez lembrar de várias minhas, mas a maioria impublicáveis. Ainda assim comentarei alguns episódio bem vergonhosos que aconteceu comigo, hoje é até engraçado alguns deles, mas realmente tem uns não, não tem jeito. Mas dos publicáveis irei acrescentando aos poucos.

Olha eu aí na foto, Estou mais ou menos assim agora escrevendo este post. Hahaha!
Vamos as histórias:

Dormindo no Ombro: Mais ou menos uns 13 anos atrás, quando o “Transporte Coletivo Alternativo” conhecido com vans foi regularizado em Goiânia (e tempos depois extinto), eu fazia serviços gerais, mais ou menos um “office-boy” num escritíorio de contabilidade de uma tia. E lá estava eu dentro de uma delas e bem cansado e com muito sono e quem usa este tipo de transporte sabe que uma hora a gente dorme. Então, quando acordei e me toquei que estava numa van e ainda no centro da cidade e que tinha acabado de acordar de uma soneca das boas, percebi que ey estava jogado no ombro de uma moça. Conseguem imaginar a vergonha que senti?  Levantei cuidadosamente, olhei para a cara dela e pedi desculpas e ela apenas disse: – Não tem nada não. Sinceramente acho que ela riu para caramba da situação na hora que eu estava dormindo ou pelo menos depois com os amigos. Ainda bem que naquela época não tinha celular com câmera, pois imagino que ela faria algo parecido com o que fez o Steve Cullum num avião:

Caindo no Lixo: Estava eu numa van novamente, com minha mãe, tia e duas primas. Estávamos próximos de casa e demos sinal de parada, que iriamos descer no próximo ponto. Não me lembro bem, mas lá estava na porta para descer. O motorista freiou, parou próximos a uns sacos pretos que os garis da prefeitura tinham deixado com grama (espero seu que seja só isso), pois tinham feito o serviço de corte da grama da praça do meu bairro naquele dia e deixado para o caminhão pegar mais tarde, e abriu a porta, fui o primeiro a descer, até aí ok. Dei alguns passos, e me virei em seguida para conversar com minha prima que ainda estava descendo, mais alguns passos dados de costas sem olhar o que tinha atrás e sim, caí sentado nos sacos, tipo quando sentamos naqueles puffes, sabem? 
Homer, entende o que eu senti. O ruim é que minhas primas zoam comigo até hoje.

Lembrei de vários outros micos, que vou acrescentando depois. E vocês? Já pagaram o tipo King-Kong? Conta para gente nos comentários.

Abraços!


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *